9.º Ano – Teste Intermédio de Matemática – 10 maio 2012

Posted: 10 de Maio de 2012 in 3º Ciclo, 9Ano, Uncategorized
Etiquetas:, , , , , ,

10 de maio de 2012

Enunciado  -  Versão 1   -  Versão 2
Critérios de classificação  -  Versão 1Versão 2

Proposta de Resolução  –   V1   |   V2   in  http://www.amma.com.pt/

Nota: as soluções podem ser encontradas fazendo a análise dos critérios de classificação de cada versão!!!


About these ads
Comentários
  1. Jorge diz:

    O teste intermédio não era nada acessivel. Nunca fiz um teste tão dificil.

    • fabioiuri diz:

      Eu concordo este teste erra um “terror”. Acho que deveriam rever estes critérios pois são muito exigentes

      • Papoila diz:

        Também achei que o grau de dificuldade de muitas questões era desadequado com o grau de exigência com que se trabalha na maior parte as escolas. Quem estudou com base nos testes intermédios anteriores e que é bom aluno, vê agora este teste como uma enorme frustração.
        Eu soube de alunos que choraram…quando estavam a fazer o teste e depois à sua saía.

    • Renato diz:

      mesmo, eu até tenho uma boa nota a matemática (4 em 5) e tive muitas dificuldades no teste
      o que não me aconteceu quando estava a resolver os testes dos anos passados (preparação para o teste)

    • Daniela diz:

      o pior teste da minha vida, se tinha 5 agora nao sei

    • Diana diz:

      Eu tive 40% no teste intermédio. NINGUÉM da minha turma teve positiva (ou seja não houve positivas em 22 alunos). A minha nota mesmo assim foi a melhor da turma :x. Achei muito difícil.

  2. Cristina diz:

    Nunca vi teste assim… o teste conseguiu fazer com que até esquecesse o que sei fazer … o que querem provar?? Que somos todos Burros ou que o Ensino não presta?

    • Joana diz:

      Exacto! Acho que nao pensaram que as nossas notas estao em risco com os “testes” deles a nós, a ver se nós fazemos exercicios tipo einstein!

      • liliana - 9º - escola eb 23 de rates diz:

        eu achei um teste muito fácil e tirei 92 % !! cada um tem as suas dificuldades eu adoro matemática !! Na minha turma só houve 2 negativas acima de 40 % houve muitos excelente!! O teste intermédio foi bué de fácil desculpem lá !

  3. Maria diz:

    horrivel nnc tinha feito nada assim… eu cheguei a uma altura q desisti, d acordo com os meus calculos tiv e nega e aposto q 80% do pais deve ter tmb. so os genios e q s vao safar, n sei o q e q eles querem ns n tavamos ensinados para fzr aquilo

    • Joana diz:

      Concordo. Foi o pior teste que poderia ter feito. De acordo com os meus calculos tive 23%, mas no entanto tive 4 e estou bastante bem preprada para um teste, exame! Só que não é para coisas assim, acho que o problema nem foi os exercicios, eles omitiam imensos dados e nao expecificavam o que queriam. Eu detestei e só de pensar que estudei nas ferias da pascoa em vez de me divertir para isto..

    • paulo diz:

      acho que não foi assim tão dificil eu tive 5

      • Paulina diz:

        A minha filha é aluna de 4 e teve 100% no teste intermédio! Agora, no exame final, vai ter 4.
        A professora dela é muito exigente e prepara-os muito bem. Claro que 100% foi uma nota que contou um pouco com a sorte.
        Não desanimem

      • David Nadrade diz:

        Parabéns para a sua filha, Paulina, que ela continue assim, que vá longe!

  4. Lenita diz:

    o teste era super dificil!!!! a minha nota vai ser linda :D

  5. maria diz:

    É simplesmente inadmissível o nível de dificuldade da prova realizada pelos alunos de 9º ano, e revela incompetência de quem a concebeu, que necessariamente deveria ter em conta as comptências exigíveis aos destinatários da mesma, o que manifestamente não aconteceu, deixando os alunos frustrados e descrentes deste sistema de ensino.

    • Joao Lobinho diz:

      o objectivo nao foi fustrar foi ensinar. Se prefere que os alunos nao saibam o que e dificil ate nao conseguirem recuperar do ensino que tiveram entao esta certa. O grau de dificuldade foi normal a comparar com os outros paises. Nao se queixe e agradeça até.

      • Alexandre Pinto diz:

        Eu resolvi o teste hoje (10 de Julho 2012), porque só hoje o descobri. Fiquei muito curioso depois de ler todas as queixas nesta página e decidi avaliar o teste. Fiz o 9º ano em 90/91 mas na verdade nunca deixei de gostar de matemática e mantenho-me em forma. Demorei 33 minutos para fazer o teste, sem recorrer nunca a máquina de calcular.

        Dito isto, é capaz de ser grande, o meu professor da altura dizia que se não conseguia fazer o teste em 10 minutos, nós não o conseguíamos fazer em 45 (aulas de 1 hora, com tempo para intervalo, distribuir e recolher testes, etc.). Mas dado que o exame é nacional e tem 90 minutos, talvez seja adequado.

        Ainda assim, o que é que eu achei das perguntas?
        Nunca senti que o português fosse difícil. É o normal em perguntas de matemática, são objectivos, são exactos e não falta informação. Aquela que pode aparentar faltar pode ser deduzida das condições do problema, e muitas vezes a arte pretendida está precisamente aí: por exemplo, nos exercícios 7, 9, 10.

        Por outro lado, as quantidades indicadas no problema conduzem a cálculos extraordinariamente fáceis, com simplificações várias. Por exemplo, o perímetro do círculo leva a 2 pi r, onde r = 5, logo 2pi = 10. Basta deslocar a vírgula uma casa.

        Por outro lado, a equação de segundo grau inclui uma raiz de um quadrado perfeito, e ainda permite a utilização da fórmula resolvente simplificada ( -k +- raiz(k^2 – c, onde k = b/2).

        Acresce ainda que o teste dava: uma tabela trigonométrica (não é precisa), um formulário completo para áreas, volumes e equações do 2º grau. Isto eram coisas que no meu tempo tinha de saber de cor e ainda sei (à excepção dos volumes da pirâmide e do cone). Por isso, o teste é correcto. É preciso estar atento e pensar para além do óbvio, mas é isso que se pede na matemática e na vida futura.

        Dito isto, não posso concordar com as críticas dos alunos, especialmente quando dizem que o grau de exigência é inadmissível. Não, o grau de impreparação ou a disponibilidade para resolver os exercícios é que o é, lamento. Não é fácil tirar 100% (lá está, é grande para isso) mas passar não devia ser difícil.

  6. Nuno Manso diz:

    Não sou capaz de entender isto… O que é que o Ministério procura obter com um teste intermédio tão pouco acessível? Quem já tinha negativa continua a ter e quem mais ambiciona foi mais enterrado, sendo afastado da excelência que outrora procurara.
    No fim, quem se lixa é quem trabalha, é interessante ver como o mesmo acontece na vida adulta… talvez o ministério nos queira preparar para a rigidez da vida.

    • Joao Lobinho diz:

      ves como acertaste no fim! Antes destes intermedios, toda a gente do ensino portugues andava com a vida facilitada e ao chegar a universidades nao conseguia acompanhar e acabavam por nao ter grande futuro profissional. Agora que a dificuldade dos testes se começam a assemelhar a dos testes estrangeiros quem tem de mudar sao os professores e os alunos que vão ter de começar a trabalhar mais. E pelo nosso bem e quem me dera a mim ter tido enstes intermedios enquanto nao precisava da nota para entrar para faculdade nenhuma. Agradeçam ao novo ministerio e nao se queixem que ja nao sao nenhuns miudos

      • Anónimo diz:

        Mais vale aulas exigentes para nos prepararmos e depois testes acessíveis, do que aulas de porcaria em que só nos habituam a coisas simples e depois testes super exigentes. Quem concebeu o teste não tem noção daquilo que é ensinado nas aulas. Se o objectivo deles é fazer com que os métodos dos professores mudem, não devem fazê-lo à custa dos alunos.
        PS – Ainda por cima, não consigo entender como é que as pessoas confiam no ministério da Educação de um governo em que metade dos deputados nem curso tirou.

  7. Rui Unas diz:

    Tava com 3 na corda bamba, a pensar que ia ser mais fácil que os testes… sim -.- fiz as contas 15%

    que porcaria…

    Já o de portugês foi o que foi com um texto surrealista de 12º ano !

  8. Leonardo diz:

    Deviam fazer um novo teste intermédio adequado aos alunos de 9ºAno, na minha escola os próprios professores de matemática demoraram cerca de 2 horas a fazer o exercício 4.

  9. Luís Costa diz:

    O teste é difícil, quando comparado com o dos anos anteriores. Mas, os alunos dos anos anteriores que passaram com 4 ou, até, 5, quando confrontados com a Matemática A do 10º ano, verificam que andaram a brincar com eles e não saíram do 9º minimamente preparados. Por outro lado, foi dado mais tempo este ano à Matemática.
    Posto isto, vejamos as questões da versão 1 (a 2 é equivalente).
    1.1.Dificuldade média. A probabilidade de um aluno ter 15 anos é 67% (no gráfico), o que quer dizer 2/3 arredondado às décimas. 1/2<2/3<3/4.
    1.2. Muitíssimo fácil.
    1.3. dificuldade média – uma tabela de dupla entrada chegava.
    2. Muito fácil.
    3. Fácil. Nas regras das potências existe muito mais dificuldade que isto.
    4. Extremamente difícil (talvez para identificar os melhores alunos).
    5. Uma equação normal.
    6.1. Direta.
    6.2. Simples.
    6.3. Resolve-se com um sistema que se resume a uma equação do 1º grau se se igualarem as expressões analíticas das funções.
    7.1. Direta – constante de proporcionalidade inversa dada na expressão.
    7.2. Relativamente difícil (ao nível dos exercícios dos manuais escolares).
    8.1. Relativamente difícil (ao nível dos exercícios dos manuais escolares).
    8.3. Muitíssimo fácil – apenas requer atenção.
    9. Extremamente fácil.
    10. Difícil.

    • Renato diz:

      Eu achei a pergunta 4 a mais fácil do teste , era básica ( eu apenas olhei para as imagens e reparei na sequenciação) não sei se vou ter os 6 pontos pois só fiz a conta seguinte ( forma fácil de resolver 99+99=198+1=199 versão 2) ( a 1 figura tem 1 bola) ( a 2 tem “2″ de cada lado) (3 tem “3″ de cada) por isso a 100 teria “100″ de cada lado como uma bolas da cem não se conta fica com 199 ( para mim esta ate era bastante acessível ) aque eu achei mais dificil foi a pergunta 10

    • pedro diz:

      ja que o teste era tao facil pode ser que a tua nota te surpreenda! Achas que este era acessivel .. entao vejo-me obrigada a discordar! À maior parte de nós nao era.. caso nao te lembres matematica e a disciplina em que, talvez, tenhamos mais dificuldade e depois apresentam-nos um teste destes?! O ministro é muito exigente?? querem enganar as estatisticas?? e o que é que isso nos importa… para mim o que vale sao os resultados!! e esses como se está já a ver sao uma porcaria!!

    • jeeac diz:

      Concordo com a sua análie dos itens, exceto no 7.2. que acho de dificuldade média.
      Também não concordo com a classificação da prova como “Difícl”. Acho, na minha modesta opinião, que é uma prova justa e que é capaz de enquadrar os alunos nas metas de aprendizagem definidas para o final do 3.º ciclo. Claro que, exige dos alunos um estudo continuado e não apenas dizerem que “estudei muito porque ontem, antes da prova, fiz 40 exercícios sobre a matéria toda da matriz”.

  10. Tiago Francisco diz:

    Este teste INTERMEDIO não é nada acessivel ! continuem a fazer destes testes dificies que obteremos imensos bons resultados ;)

  11. Joana diz:

    O teste foi bue difícil para todos os alunos do 9 ano da minha escola ate para a “génia”.
    segundo as minhas contas irei ter 46 % ou 50%!
    Se o intermédio foi assim imagino o exame!

  12. Paula Neves diz:

    Se os testes intermédios são um meio de análise tanto por parte do professor como do aluno, para testar os conhecimentos e se estes estão de acordo com os conteúdos lecionados e planificados face aos programas,mais vale não os fazerem, já que neste teste não é possivel fazer essa avaliação. Mesmo nas questões relativamente fáceis, o enunciado tinha sempre um tipo de linguagem que impedia os alunos de raciocinarem como deviam. Ao longo do teste os nervos foram invadindo os alunos, proporcionando-lhes um sentimento de insegurança e incapacidade cada vez maior. Por outro lado é um teste inacessivel aos alunos de nível 3, portanto não foi feito para eles. Para testar os conhecimentos de um aluno não há necessidade de elaborar as perguntas de uma forma tão rebuscada, de forma a não dar a entender ao aluno o que se pretende, além de pelo menos 2 questões estarem fora do âmbito de um aluno do 9º ano . Mas já que se esmeraram tanto em dificultar a realização do enunciado, então têm de admitir que na questão 9, não a elaboraram corretamente, pois se se tirar a pirâmide ao prisma, o volume do prisma mantém-se, portanto reconheçam que também foram limitados na produção da mesma. Se o exame for semelhante, uma elevada percentagem de alunos não irá transitar de ano, pois terão nível 1.

    Encarregada de Educação Paula Neves

    • Joao Lobinho diz:

      nao necessariamente pois se se tirar uma piramide dum prisma o pisma ja nao e prisma e tem volume diferente. Deixe o ministerio fazer o seu trabalho a tirar o ensino da miseria em que estava, em que os alunos chegavam a universidade e nao conseguiam fazer nada e acabavam por desistir, e sinta-se agradecida por ele ainda salvar o futuro do seu filho pois ha muitos alunos de secundario que ou voltam para o 9º ano para aprender tudo outra vez ou ja nao se safam na vida.

    • jeeac diz:

      Estudem mais, então, para não obterem nível 1. E os Encarregados de Educação que se metam menos na gestão pedagógica e apoiem mais os seus educandos, não os deixando ir para a escola sem fazerem trabalhos de casa, sem manuais escolares, etc, etc.. Lamento, minha senhora, mas é verdade.

  13. Maria diz:

    Este deve ter sido o pior teste intermédio de matemática que alguma vez houve até o melhor aluno da turma tirou negativa! Este teste foi uma autêntica vergonha, e teve um grau de dificuldade que nenhum de nós esperava! Foi um teste horrível!

  14. André F. G. Reis diz:

    Olá! Sou açoriano, mais propriamente de São Miguel e venho aqui deixar o meu comentário.

    Sou aluno de 9º ano, com nota máxima (5) a Matemática em todos os períodos desde o 5º até agora (9º). Deixo bem claro uma coisa: desde o 5º até ao 6º nunca tive um teste inferior a 90% à exceção da transição do 6º – 7º em que um teste foi um Bom na casa dos 82…%.

    Eu e a minha turma andamos a batalhar neste teste intermédio desde o início do ano letivo 2011/2012. Imprimimos todos os testes intermédios, resolvemo-los nas aulas, a professora deu-nos aulas de apoio todas as terças-feiras, fomos a aulas extras para colocarmos/esclarecermos dúvidas e para resolvermos imensos exercícios e realizámos fichas de trabalho.

    Estávamos excelentemente, repito excelentemente preparados para o teste intermédio! Verificámos que os exercícios dos testes intermédios dos anos anteriores tinham um grau desde fácil até difícil (não é bem difícil mas sim, que tínhamos que pensar muito bem na(s) questão(ões)…

    A minha turma (ou quase toda a turma) estava confiante para este teste… Pensámos no trabalho que tivemos todas as semanas até chegar ao dia 10 de maio, tudo o que nós passámos para estarmos bem preparados para um teste que vinha do Continente para as ilhas..!

    Chega o dia 10 de maio entramos para a sala de aula, a professora entrega-nos o teste, começamos a resolver. A primeira parte, Estatística, pronto essa parte até foi razoavelmente fácil… Continuo a resolver o teste, deixando vários espaços na folha de respostas para escrever depois para dar tempo para pensar… Não dava para pensar!!! No teste havia muito falta de dados em algumas perguntas e o grau exigido superou o grau dos testes intermédios dos anos letivos transa(c)tos.

    Um colega meu começa a chorar, a exclamar que não conseguia resolver o teste e a professora a tentar acalmá-lo dizendo para ele dar o seu melhor! Ele desistiu e deixou de vez o teste.
    Eu suspirava tanto e muitos também… Muitos alunos de 5 a suspirar… ui já estava a ver que não era só eu que achava o teste difícil… Acabou-se a aula desatei a chorar e porquê?

    PORQUE EU TINHA (E TENHO) A CERTEZA DE QUE ESTA SERÁ A MINHA PRIMEIRA NEGATIVA DESDE O 1º ATÉ AO 9º !! :( Acho que nem a 25% chega. Ainda por cima numa disciplina que adoro, Matemática.
    É a vida! Não é assim que surgirão muitos alunos com 12º ano feito, ainda mais sem perder anos…

    Através deste longo post explico o meu desalento em relação a este teste intermédio!

    PS: Desde o 5º-9º anos, que não tiro 5 com facilitismos, deixo bem claro isso :)

  15. José Guedes diz:

    Teste 1 – Com exceção do nº4 – que é muito artificioso -, o teste tem um grau de dificuldade equivalente ao que era exigido no ensino oficial nos idos anos do final da década de 80.
    Logo, a fazer fé nas declarações que li, inclusive nos jornais, parece que o grau de exigência dos conteúdos ministrados nas aulas não dá para que a maior parte dos alunos de hoje tenham a mesma “performance” que os alunos de há 20/25 anos atrás.
    Isto aliás é compaginável com as observações empíricas que tenho vindo a fazer ao longo destes últimos anos com relação aos saberes de grande parte da malta jovem muito em especial no Português e na Matemática.
    Mas temos de ser justos, pois há uma percentagem da gente jovem (~30%) que é incomensuravelmente melhor que a geração atrás referida, mas os restantes, não tenhamos receio de o dizer, são muito fraquinhos. De quem é a culpa não sei, mas que temos de dar uma grande volta a isto lá isso temos, e veja-se como exemplo as licenciaturas pós Bolonha – uma desgraça.

  16. Matilde diz:

    Também sou aluna do 9º ano e fiz o teste intermédio. Achei o teste extremamente difícil, não adequado para alunos com nível 3. Exigia muita atenção e boa interpretação das perguntas. Não concordo com o nível do teste intermédio porque não procurou em saber realmente o nível de ensino das escolas, mas sim, como é que nós interpretamos as questões. Se o ministério tem como obje(c)tivo avaliar os professores com este teste, vai ter azar, porque muitos alunos vão tirar negativa! Só espero é que o exame não seja assim, que seja dirigido a todo o tipo de alunos, com a preocupação de ver o nível de preparação dos alunos para um eventual 10º ano. Comparado com os dos anos anteriores, não teve nada em comum. Quem estudou pelos dos anos passados estava confiante com o resultado deste teste, pois, se tivesse sido do mesmo género, todos teríamos conseguido fazer o teste com calma, sem ficarmos atrapalhados com o facto de estarmos a passar perguntas, isso foi, sem dúvida, o maior ponto negativo deste teste. Sou aluna de 4, já fiz as contas e, pelo que vi, vou ter uma nota à volta dos 50%, o que me deixa frustrada porque ambicionava melhor a minha nota.

    • Rafael diz:

      ola boa tarde, tive 1, e não fiz 3 paginas se tivesse as feito tinha 2 de 30 e tal por cento mas tive tive 19 por cento , acho que o teste foi feito para um nivel de raciocinio elevado na minha turma so houve 5 positivas uma do melhor aluno da turma de 76 mais ou menos,m resumindo tempo desinadequado para um teste de tal nivel de racio cinio ,votem para melhor resposta.

  17. joao diz:

    eu não acho que o teste seja dificil de ter positiva mas houve um exercicio bastante complicado

  18. jose diz:

    Este foi o teste mais fidicil k fiz ate hoje, imaginem lá o exame? É q o exame ja esta feito desde janeiro!

  19. Maria diz:

    Se o Ministério queria aumentar a dificuldade dos testes intermédios, tudo bem, mas não devia tê-lo feito desta maneira. Devia ter aumentado o grau de dificuldade pouco a pouco ao longo dos anos, ou pelo menos ter advertido os professores e alunos para aquilo que os esperava e ter fornecido material (fichas, manuais) que nos pudesse preparar para este teste. Certamente sabiam que resolver os testes dos anos anteriores como forma de preparação não iria resultar. Se estavam à espera de bons resultados, tirem o cavalinho da chuva, pois na minha turma de 25 alunos, uma das melhores da escola, houve 9 positivas, a maioria delas perto do nível 2.

  20. jose diz:

    Pois, isto é uma falta de respeito perante toda a gente, e ainda por cima o gave teve uma gafe no teste e nem o admite…. realmente tanto descaramento

  21. HAHHA ESTUDEM diz:

    Sempre me disseram que se estudares terás boa nota. Há quem tenha jeito para matemática e outros para português. mas epah…

  22. Dinis diz:

    Tive 51% e achei o teste muito difícil. Mas com que objectivo terá o ministério o feito assim ? Será que o grau de dificuldade nos exames aumentará ou diminuirá ? Será que este teste é um aviso para o que virá no exame ? Ou o ministério quererá que nós estudemos mais, para termos notas altas nos exames que se seguem ? Boa sorte a todos para o que virá aí, abraços.

  23. tiago silva oliveira diz:

    facil,sempre tirei 5 em tudo nunca tirei 4,por isso foi facil…

  24. jeeac diz:

    É lamentável que nunca mais entendam que “tem de acabar o facilitismo”. O teste intermédio exigia apenas estudo pela parte dos alunos. Saber os conceitos e estabelecer relações entre eles.
    Por favor… Quando vamos todos entender que não podemos criar uma geração que não saiba (ou não queira) trabalhar para o sucesso?

  25. Filipa diz:

    Leiam tudo antes de julgarem a frase seguinte! este teste não exigia qualquer estudo. foi daquelas provas em que apenas a atenção e o raciocinio contam, por isso nem a consigo classificar como dificil, pois é desadequada, inapropriada para o sistema de ensino que temos.
    Desde o 5º ano ao 12º que é exigido aos alunos que adquiram certos conhecimentos, relações e regras matemáticas que depois servem para resolver exercicios especificos de uma certa matéria. Este teste intermédio não foi de aplicação de conhecimentos. O ministério quer provar a ineficácia das medidas educativas do anterior governo, mostrando agora ao país o quão incapazes estão os nossos alunos. Podem contar com exames mais fáceis em anos de eleições. é lamentável mas é real.

    • jeeac diz:

      Não me parece que o Ministro Nuno Crato tenha essa forma de estar no Ministério da Educação e Ciência. O teste exige o que é de interesse na Matemática: racicocínio e estabelecimento de ralações entre conceitos.
      Explique-me então, Filipa, o que acha de defeituoso na prova, tendo em conta o Curriculo Nacional de Matemática e Programa de Matemática homologado em 1991 (Antigo Programa)?

    • David Andrade diz:

      Este teste era mesmo de raciocínio. Acho que quem o fez está de parabéns!

  26. Manuel diz:

    Para todos que falam do teste como sendo fácil, na minha opinião o teste não será difícil para as gerações vindouras pois o seu programa está de acordo com o tipo de exercícios neste teste intermédio. O problema é que nós não estávamos preparados para este teste porquê?: porque NINGUÉM NASCE ENSINADO. Uma coisa é a teoria outra é a prática. E era nesse ponto que não estávamos preparados. Nenhum livro nem nada tinha um exercício parecido com alguns que saíram no teste. Nem aluno que estudasse muito teria boa nota pois simplesmente não estava preparado para os exercícios. Por este motivo acho que nem sonhávamos com este tipo de teste. É verdade que nos outros anos houve muito facilitismo mas ou é 8 ou 80…

    • jeeac diz:

      Um aluno que estude Matemática seriamente não precisa de exercícios “chapa 3″. Se perceber o conceito, saberá certamente aplicá-lo.
      O problema é que os professores também continuam a seguir os “manuais escolares” como exemplos e muitas vezes, alguns delews, nem tiveram o trabalho de “ler”, “interpretar” o Curriculo Nacional de Matemática e o respetivo Programa de Matemática.
      Sinto muito a minha sinceridade, mas os nossos jovens têm de começar a perceber que o custo da educação representa muito para o erário público. Sobretudo, têm de perceber que devem ser exigentes com eles próprios e a sua educação. Não há educação sem trabalho e exigência.

  27. jeeac diz:

    Os senhores imaginam o que é lecionar uma cadeira de Estaística I e II a licenciaturas como Psicologia, Sociologia, Gestão de Recursos Humanos, a alunos que desde o 5.º ano de escolaridade transitaram com nível 2 a Matemática?
    Tentem pedir numa faculdade para assisrirem a essas aulas e vão ver um episódio digno de uma “República das Bananas”.

  28. jeeac diz:

    E, caso não me levem a mal, irei mais longe.
    Na minha opinião, todos os alunos do ensino básico só deveriam transitar de ciclo se obtivessem pelo menos nível 3 a todas as áreas curriculares disciplinares. Deveriam ser implementados exames a todas as áreas disciplinares curriculares disciplinares, à exceção de Educação Física. O peso da classificação dos exames na classificação final deveria ser de 50%, segundo a fórmula: CF=0,5CI+0,5CE, sendo CF a classifcação final, CI a classificação interna do 3.º meomento de avaliação (3.º período) e CE a classificação obtida em sede de exame ou prova final de ciclo.
    Esta minha opinião é válida para os alunos do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, não abrangigos por condições especiais de avaliação previstas no Decreto-lei n.º 3/2008 de 17 de janeiro.

  29. jeeac diz:

    Durante a minha vida lecionei no ensino superior e no ensino básico (3.º ciclo) e ensino secundário. Lecionei, no ensino superior, cadeira como “Análise Infinitessimal I, II, III e IV”, “Álgebra I, II, III e IV”, a licenciatura em que a Matemática é uma disciplina propedêutica e, em licenciaturas ligadas às Humanidades, cadeiras de “Estatística I e II”, nas quais o programa curricular exige conhecimentos básico de Matemática para alunos que não eram obrigados a frequentar a disciplina de Matemática no ensino secundário (10.º, 11.º e 12.º anos).
    No ensino básico e secundário sou exigente, não deixo que os alunos se inclinem nas cadeiras, não deixo que tenham conversas paralelas nas aulas, não deixo que se levamtem dos seus lugares sem minha autorização, não deixo que conversem entre si a não ser dos assuntos relativos à aula, faço-lhes ver que a sua liberdade termina quando põe em causa a liberdade dos colegas ou do professor no contexto da sala de aula e da aprendizagem que está a ser realizada. Sou “muito aborrecido” no que diz respeito a normas para com a Instituição denominada “Escola” e, sobretudo, no respeito pela “Sala de Aula”, chamando-lhes a atenção de que existem hierárquias.
    No ensino superior, no qual já não leciona há uns 8 anos, fazia o mesmo. Após 10 minutos de se inciar a aula, a porta ficava fechada. Não havia alunos a entrar e a sair da sala. Não há jeito para dizerem “já sou maior” eu é que dicido. A aula, quer no ensino superior, quer no 3.º ciclo ou secundário, está sob a minha orientação. Eu mando, de acordo com uma política democrática. Mas sou eu que modero o que se passa numa aula e não admito, de forma alguma, que me retirem tal papel enquanto docente.

  30. jose diz:

    E este anos será que os exames iram ser faceis?

  31. José Ilídio Viana Faliers Guedes diz:

    Para além da opinião, praticamente generalizada, por parte dos examinandos, de ter havido grandes dificuldades na resolução do exame, estar a traduzir uma preparação paupérrima, a questão é mais profunda e entronca na falta de hábitos de trabalho por parte dos jovens.
    Em toda a sua amplitude de consequências acarreta, com frequência inacreditável, um raciocínio matemático inferior ao que se obtinha com a antiga 4ªclasse e, por exemplo, como já foi citado por mais alguém, faz com que as reprovações a Estatística (Psicologia, Sociologia, Recursos Humanos e por aí fora) atinjam percentagens acima dos 60% – não por culpa dos Professores – embora Bolonha em nada ajude – mas porque a grande maioria dos alunos não possui os conhecimentos mínimos de aritmética e de álgebra. Enfim, uma VERGONHA e assim o nosso PAÍS tem grandes escolhos para poder progredir.

  32. Filipa diz:

    jeeac, penso que não devemos monopolizar este fórum, por isso não comentarei tudo o que disse. não é que haja algo de errado com o programa de matemática, simplesmente acho desonesto esta forma de de repente “elevar as exigências”. um bom aluno, que respeita a sala de aula, que leva a sério o seu ensino desde o 5º ano, que se preocupa e estuda, pode muito bem ver frustrados os seus objectivos com este exame, pois como teste intermédio de preparação para o exame nacional de matemática do 9º ano de escolaridade, ele não testa o que o aluno andou a aprender nas suas aulas, trabalhos de casa, e testes de professor. eu concordo que os nossos alunos estão hoje demasiado formatados para certos exercícios, e aqui está a prova de que quando confrontados com algo diferente, não são capazes de o resolver. Mas considero que espetar-lhes estes exercícios assim num teste intermédio toca a falta de respeito.

  33. Cristina diz:

    Há coisas que até me custam ler… com tanta gente exigente e inteligente.. nem sei como é que este país se encontra na bancarrota…vejam e analisem o sistema educativo de paises “à séria”. Tanto people com pesamento lógico.. que se esquece que para tudo há um momento.. uma idade… será que nascemos para viver 6 anos?? Intervalo compreendido entre o nascimento e a entrada na Escola 1º ciclo????

    Preocupem se em dar NATUREZA aos nossos jovens, saibam olhar para trás e vejam como este sistema destruição as Gerações… vejam os erros e ensinem as novas gerações a evita-los e não a agrava-los!!

    Tenham juizo.. deixem que os miudos também tenham um pouco para eles.. que vivam o que vale a pena viver, Que tenham tempo para sentir o Sabor do Sol, da Chuva … Os Elementos.. isso sim é Importante. A cultura… não se adquire na escola mas em contacto com a natureza a Escola é um complemento … .
    SENHORES EDUCADORERS TRATEM DE DAR IMPORTâNCIA AO QUE TEM DE FACTO IMPORTANCIA…

  34. Mariana Vieira diz:

    Era um teste super fácil!! era preciso ser apenas feito com calma…
    Tive 98% apenas porque apresentei os resultados arredondados de uma maneira diferente da que eles queriam.

  35. ILS diz:

    João Lobinho e Jeeac, não quero ofender ninguém, mas a verdade é que o teste não foi feito para o nível de ensino das escolas, não foi!!! Não estamos habituados a este tipo de perguntas e problemas, o meu irmão está na Universidade no curso de Física e ele próprio achou o teste inapropriado para alunos do 9º ano com o nosso nível de ensino. E é esta a verdade, meus caros amigos, é um facto!Muito bem, podem começar com este nível, mas por favor preparem-nos antes, talvez no exame tiremos melhores resultados pois já estamos preparados para este tipo de perguntas! Posso apostar que se os senhores fossem aprender “como plantar batatas”, e lhes metessem um teste à frente sobre “como plantar ervilhas” também não sabiam!
    Podem dizer que é para nós nos habituarmos ao nosso futuro, mas cá para mim, é para ninguém ter futuro.

    • jeeac diz:

      Caro ILS.
      Se o seu irmão achou o teste inapropriado, então certamente não se apercebeu da realidade entre o “fácil” e o “dado de bandeja” e peço-lhe também desculpa por dizer isto.
      O Ministério da Educação e Ci~encia fez, de vez e muito bem, um aviso aos professores, alunos, pais e encarregados de educação que a Escola não é um “depóssito” de jovens que “andam lá por ser divertido”.
      Eu desconto 5% do meu vencimento, desde 1 de janeiro de 2011. Em 2011 perdi 50% do Subsídio de Natal, no que respeita ao execente de 485 euros do ordenado mínimo nacional. Durante 2012, pelo menos, é certo perder os subsídios de férias e Natal. Estes descontos adicionais, bem como o IRS que pago servem para a implementação de um estado social, no qual está incluída a escola pública.
      Se já antes não admitia que um ensino para todos fosse sinónimo de “ensino de massas”, passando todos para apresentar estatísticas à União Europeia e à OCDE, hoje muito menos vou nessa “cantiga”.
      O Ministério de Nuno Crato avisou e está publicado no portal do Ministério da Educação e Ciência as orientações para a construção dos intsrumentos de avaliação externa (provas Finais de ciclo e Exames Nacionais do ensino secundário).
      Para “ninguém ter futuro” como afirma V.Ex.ª, caro ILS, é manter a politica de lascismo e facilitismo do paradigma “pós-moderna” ( o “eduquês” que nada tem feito pela educação) que tem servido de base aos diversos ministros da educação.
      Espero que perceba que não existem preparações para testes, nem exames ou provas finais. Existe ensino e aprendizagens, as quais, independentemente do tipo de provas aplicadas, devem ser compreendidas pelos alunos.

  36. Gonçalito diz:

    Eu sou um aluno razoável e achei o teste o mais dificil que já fiz na minha vida, era um horror, fiquei chocado com a minha nota !
    Eu tive 9 em 100 !
    Tipo tava as espera de negativa mas estava as espera de mais, ate a minha professora disse que o teste nao era adequado para 9ano !

  37. Catarina Fig* diz:

    Eu tive um 10% na porcaria do teste intermédio de matemática!! eu fartei-me de estudar e tirava sempre 57% ou 65% nos outros dos anos passados (preparação para o teste) E AGORA ACONTECE-ME ISTO!! sinceramente , não percebo este establecimento de ensino , em vez de ajudarem os alunos a eliminarem a aversão á disciplina de matemática só pioram se isto é uma amostra do exame nacional , estamos bonitos estamos…

  38. 123123123 diz:

    Se o ministério faz testes “tão difíceis” acho que deviam considerar substituir alguns professores que andam a brincar e não ensinam nada…

  39. Verónica diz:

    Eu concordei com alguns comentários aqui postados.
    Trabalhei bastante para este teste, e fui recompensada (tirei 91%, a melhor nota da minha escola), o teste era na realidade dificil, mas e o de Português ninguém fala. Era pavoroso, ainda não consegui perceber os textos que lá estavam, para não falar nos critérios de avaliação. Mas como não vale a pena chorar sobre o leite derramado o melhor mesmo é estudar para os exames, porque apesar de ser impossível para alguns alunos reprovar, também é muito difícil para alguns transitar para o décimo ano.

  40. pedro diz:

    tive 81 por pura distração e não estudei absolutamente nada.
    a pergunta 4 era de pensar mas era fácil.

  41. Ana Grave diz:

    Tive 17% neste teste intermedio, esta porcaria de teste pos me em risco de chumbar, thanks a lot Gave!! estou ansiosa para ver os exames

  42. Olá eu sou também açoriana da ilha de São Miguel.

    Eu, sinceramente, nãogosto muito de matemática.
    No 8 º estava sempre entre o nivel 2/3, e eu esforçava me imenso.
    No 9 º consegui melhorar de 51 % (que tirava nos testes no 8º) para 60 % e tais quase 70%.
    Meu pai é professor e dizia me sempre que os testes intermédios não iriam fáceis.
    No 2 Período subi nível 3 para nível 4 tirando num teste 87 %.
    Eu já no 3 Período estava cansada, e estudei pouco para o teste.
    No dia antes do teste intermédio arrependi-me seriamente e estudei o que pude. Revi matéria , fiz o teste do Arial que minha professora aconselhou fazer, vi o que errei e exercitei muito, porque sabia que aquele teste exigiria muito raciocinio.
    Eu estava nervosa, mas sabias que quanto mais nervosa ficava, menos eu conseguia pensar e refletir no teste.
    Antes de dormir, peguei nos livros, exercícios, tira duvidas tudo dos anos passados e deste ano e fiquei até as tantas a estudar.
    Chego há sala mais ou menos calma, chega o teste as minhas maos, vi e pensei ” Eu nao sei nada”.
    Mantive-me calma deixei as perguntas que não sabia e as que demoravam muito a fazer de lado, as mais rápidas fiz, e as de escolha também.
    Só ouvia montes de pessoas a suspirar, umas no meio do teste desistiram e não fizeram mais nada.
    Só me apetecia chorar, nunca tinha visto um teste daqueles, fiquei aterrorizada.
    Agora compreendo o “tem de acabar o facilitismo”, mas acho uma coisa injusta, a minha professora garantiu que não iria sair a trigonometria, é verdade não saiu mas apareceu a tabela trigonométrica! Eu não me segui por essa tabela mas pessoas “lixaram-se” devo dizer por causa daquilo!! A culpa é dessas pessoas eu sei, mas digamos la.. aquilo será que foi engano ou foi de propósito? Nunca saberei, só sei que quando a minha professora nos encontrou depois do teste disse que este teste era uma porcaria.
    Chega a entrega dos testes. Tive 44 % no teste intermédio, só houve 6 positivas na escola, 3 delas na minha turma, fui a 4 nota mais alta na minha turma, alem das 3 positivas ninguém chegou aos 40% alem de mim. Uma colega minha de nível 5 teve 50 % no teste.
    A professora disse-me que 44 era uma boa nota devido ao nível de dificuldade do teste, mas isso não me convence porque meu pai afirmou que não houve quase positivas nenhumas nos exames do 4 ano!!
    Eu acho injusto estarem a facilitar no ano anterior e depois atacarem com força os alunos!
    Eu no 8º tive no teste intermédio de matemática 53% e nem estudei e uma amiga minha que reprovou teve 5% no teste intermédio de 8º deste ano!

    E eu penso sim “tem de acabar o facilitismo” mas uma coisa não entendo, estão a fazer testes muito difíceis, mesmo que muita gente tenha boas notas nesses testes, existe pessoas que têm nivel 5 nessas disciplinas e ficam com nivel 2 secalhar.
    Eles querem “seleccionar” os melhores com, estes testes, mas continuando assim, este pais neste estado, quase ninguem vai ser selecionado..

    Obrigada pela compreensão, isto é só a minha opinião e a minha experiência de vida.

    • David Andrade diz:

      Queria deixar aqui um comentário ao facto de tu (posso tratar por tu?) estares desiludida com o teste intermédio.
      1º) Em relação à tabela trigonométrica: Na matriz que o GAVE (e que certamente tiveste acesso antes do teste) divulgou acerca dos conteúdos a testar no TI, não estava escrito nada parecido com Trigonometria. A tabela figurou no TI apenas como “amostra” dos anexos do Exame Nacional. Assim, aqueles que nunca viram um Exame Nacional têm a noção do que podem consultar. E também quem quisesse resolver algo com Trigonometria (que, a meu ver, é absurdo), podia utilizar a tabela como apetecesse.
      2º) O teste foi simples. Digo isto porque se tu observares o teste com atenção, tudo o que está lá está ao nível de 3º ciclo. A única coisa que não gostei foi do problema do prisma, porque perguntam qual é o valor do volume após se ter retirado a pirâmide. No meu ponto de vista, esse valor é inalterável. Se não entenderes porquê, pergunta a algum professor de português que perceba o que é “volume”, “prisma” e “pirâmide”. Adorei o 4º e também o último exercícios. O 4º porque foi extremamente fácil e está a haver polémica não sei porquê e o último porque tens de observar vários aspetos no desenho. Gostei do teste, mais do que o do 8º (eu estou no 8º e fiz o intermédio do 8º, tirando 95% por causa do exercício 7, pois não atentei no enunciado que deveria considerar o triângulo ABC. Neste do nono, resolvi todos os exercícios em, possivelmente, 10 minutos, sem contar com o tempo de escrever.
      3º) A tua preparação não foi adequada! Eu sei que tens noção disso, mas é importante reforçá-la, pois tiraste 44% e com um bocadinho mais de estudo chegavas facilmente aos 50%. Já alguém dizia que “O único sítio onde o sucesso vem antes do trabalhão é no dicionário” – Albert Einstein.
      4º) A tua professora disse que era uma porcaria porque vocês não deram a matéria a tempo (pelo que estavas a dizer). Mas ela pode tirar este teste para cálculo da nota de matemática e ter um carácter meramente (in)formativo. Na minha escola, uma aluna de 5 teve 60 e tal por cento, e tanto ela como a professora disseram que o teste era adequado e a aluna acrescentou que “poderia ter feito mais”. Mas mesmo assim, não deixa de ser aluna de 5, e sei as capacidades que ela tem!
      5º) “… quase ninguém vai ser selecionado…”. Mentira! Em Portugal temos excelentes alunos a matemática, cada vez melhores! Prova disso são os resultados nas IMO e nas OMCPLP, em comparação com os anos anteriores. Não deves falar assim sem te informares, pois estes alunos que participam nas competições que estou a referir fazem treinos árduos e intensivos, gastando imensos fins de semana nesses ditos treinos. Mesmo sem contar com estes alunos exímios, ainda temos um vasto leque de “selecionados” (aos quais que tu referes que teriam boas notas neste teste).
      6º) Um conselho de amigo, este teste já passou, não deves ficar chateada, deves sim é observar o exemplo de fazeres melhor, porque só assim chegas mais longe. Mesmo estando tu agora a entrares para o 10º ou a repetires o 9º, vais ter muitos TI e Exames Nacionais pela frente e tens de estar otimista e estudar e praticar com devida antecedência.

  43. Bravo diz:

    Só é difícil para quem não se empenhou o tempo suficiente.

  44. A gira ;) diz:

    Gente do Ministério de Educação como podem observar toda a gente se queixa do mesmo, apenas dois ou tres acham que foi acessivel mas esses tambem devem ja de saber o teste de cor antes de o fazer…
    ESPERO que não façam um Exame tao complicado se não a maioria dos alunos vai chumbar toda a matemática e não haveram turmas para o 10º ano xD
    Agora fora de brincadeiras conto com a vossa ajuda nao querendo prejudicar alguem…

    • fyyhjj diz:

      eu tirei nota máxima no teste e não o sabia de cor, foi so uma questão de empenho e estudo durante 3 dias , e eu só podia estudar de tarde

    • Raquel Sousa diz:

      Muito verdade, muita gente vai reprovar o ano, podem ter a certeza, e poucas vão ser as turmas de 10º ano que vão haver.

    • Anónimo diz:

      “apenas dois ou tres acham que foi acessivel mas esses tambem devem ja de saber o teste de cor antes de o fazer…”

      Ou são bons alunos a matemática? O quê? Será que os portugueses podem ser alunos excelentes a matemática? A resposta é sim, podem. Não se deve subestimar a nossa inteligência, isso fica feio. É por pessoas com essa mentalidade que o nosso país não avança…

  45. catia diz:

    parece que ja nem sabem fazer testes intermedios !! até o meu professora quando foi para o corrigir, demorou para chegar la !!

  46. Maria diz:

    achei mesmo fácil tirei 91%

  47. Maria João - Encarregadade educação diz:

    Depois de ler todos os comentários, e tendo uma filha que também fez o teste do 9ºano e que achou muito díficil, chego a conclusão que, o nosso sistema de ensino está desajustado como quase tudo neste país. O problema é que alguns alunos não estam preparados para este grau de exigencias, acho muito bem que não se facilite e que respeitem o lugar ingrato e muitas vezes incompreendido do professor, mas por exemplo, no caso da minha filha e como ela muitos alunos neste país senão mesmo a maior parte, não tiveram aulas durante o 2º e 3º periodo do 8ºano, quando iniciaram o 9º ano tiveram aulas em simultaneo (8º e 9º) continuaram sem aulas a maior parte do tempo, e sem ter aulas de substituição, quando aparece finalmente uma professora de matmática, esta limita-se a dar aulas em Power Point, todos os alunos se queixam e ninguem os houve, porque normalmente a culpa quase sempre é dos alunos que não prestam atenção, que não sabem se comportar nas aulas e não respeitam o professor!:
    Tudo isto é verdade, todos sabemos que cada vez mais existe uma grande falta de respeito e haverá alunos que não deixam mesmo os outros aprenderem, pondo o professor numa situação muito constrangedora, pois alguns até parecem que têm medo de impor a sua autoridade. Mas também há alunos que querem aprender, tirar as suas dúvidas, expôr as suas questões, prestar atenção á matéria e não o conseguem fazer!! porque calharam numa turma que mais parece um “Forró” ou uma selva!! O Problema é que quem quer bom ensino tem que o pagar e quem não tem dinheiro está sujeito a calhar numa escola onde se aprende a lidar com outro tipo de pessoas que merecem todo o nosso respeito, mas também tem que se adaptar ás nossas regras e encontar um sistema forte e não uma rebaldaria sem eira nem beira. A não colocação de professores a tempo, ou a colocação de professores falhados e frustrados sem os requesitos necessários,faz com que as aulas não tenham qualidade e consequentemente fracos alunos, depois temos que andar a pagar explicações, que quase saiem ao preço de um colégio, para fazer o trabalho dos professores na escola, e assim os nossos filhos possam apreender. O mau, não é o grau de exigencia dos testes!! Até acho muito bem que não se facilite a vida, porque a vida não é fácil!, mas temos que distinguir e ajudar aqueles que realmente estão interessados em ser alguém e não em ser mais um ” cambalaxeiro”que goste de fazer burlas e buracos no orcamento!!!.
    Existe por aí muitas crianças e jovens com valor que não conseguem nada sem ter ajuda e a orientação de um bom professor, é triste ver o desanimo de uma jovem que tinha média 4 numa escola pública em Lisboa – Benfica, onde a meu ver tem boas escolas, e agora está em risco de chumbar o ano porque a escola onde anda, que é perto da area de residência na Costa da Caparica não tem nada a ver com as anteriores, nem a nível de alunos nem de professores.
    A Vida das pessoas muda muito e fomos obrigados a mudar de sítio, mas isso não significa que tenha que se perder qualidade a nível de coisas tão básicas como a Educação ou Saúde.
    Continuem a fazer exames díficeis ou mesmo até a outras disciplinas, mas preparem bem os nossos jovens, e principalmente imponham regras de comportamento e selecionem as turmas, não faltem as aulas e ponham professores qualificados que saibam realmente ensinar. Os alunos que não querem estudar arrenjem maneira de os cativar ou ponham a fazer outras coisas tal com trabalhar, não é pecado começar a trabalhar cedo, essa politica de manter obrigatóriamente um jovem a estudar só porque é menor já não é viavel nos dias de hoje. Mesmo dentro da escola eles podem trabalhar, melhorando as instalações, nos tempos livres, como por exemplo limparem as carteiras ou pintar as paredes, vigiarem as casas de banho que nem papel têm, ajudarem a conservar as escolas onde andam, não são considerados castigos! e ficam ocupados não fazendo desconcentar aqueles que querem aprender.

  48. Raquel Sousa diz:

    Raquel ( aluna – 9º ) :

    Sabem que mais ? Eu tirei 11% no meu Teste Intermédio de Matemática, ou seja uma autentica tristeza, foi uma das notas mais baixas da minha turma, onde não houve positiva nenhuma.
    O máximo da minha turma foi 35% , é para verem que nem todos os alunos são iguais, nem todos têm a mesma educação, e no meu caso, nunca me queixei das escolas onde andei e sempre foram públicas. Mas quando me mudei á 3 anos para esta Escola Pública onde estou agora, posso dizer que cada vez está pior tanto a nível de alunos como de professores, onde faltam durante quase um ano inteiro, e depois ainda querem que os alunos tirem boas notas e passem de ano.
    Desde o 1º ano ao 7º que sempre fui uma aluna com médias de 4 e 5 e que quando cheguei ao 9º , tudo mudou. Devido á falta de aulas que tive no 8º ano, tanto a Matemática como outras disciplinas, perdi matéria e que teve de ser dada no 9º ano.
    É para verem, que a vida não é fácil, e eu empenhei-me muito este ano, mas o resultado pode não ser tão bem sucedido como eu esperava, possivelmente se não tirar um 4 nos 2 Exames Nacionais, reprovo o ano.
    DEVIAM PÔR PROFESSORES COMPETENTES A LECIONAR PRINCIPALMENTE, A LÍNGUA PORTUGUESA E A MATEMÁTICA !
    Obrigada, ao RAIO do MINISTRO que fez este Teste Intermédio, pois graças a VOÇÊ metade de Portugal pode estar em risco de chumbar.

    • Bravo diz:

      Raquel, o seu comentário é muito pertinente por tocar na ausência (disciplina) dos professores em matérias tão delicadas como matemática. Porém, o seu insucesso poderá dever-se à escola onde está inserida e como tal deverá ter em atenção a causa. Parabéns pelo depoimento.

  49. Jorge Melo diz:

    Posso dizer que felizmente tive 100% neste teste e o mesmo se verificou no exame ;)
    Jorge Melo

  50. Cláudia diz:

    Eu achei o teste fácil.

  51. joao diz:

    eu tambem claudia

  52. Laura.A diz:

    Achei o teste acessível pois a única coisa que que precisávamos era de concentração e os conceitos básicos de cada matérias. Ñ havia lá muitas contas a fazer…era apenas a precisão de concentração e perceber o “jogo” que estavam a jogar connosco.
    Eu associo a matemática a um jogo de xadrez…

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s